Eficiência

Pergunta: Data da publicitação deste evento na página da Internet do Município?
Resposta: Dia 4 de Abril.

Pergunta: Data limite para as inscrições?
Resposta: Dia 3 de Abril

 

Afinal quem é o Revisor Oficial de Contas da Câmara nomeado na ultima Assembleia Municipal?

Constava da ordem do dia da última Assembleia Municipal realizada no dia 28 de Fevereiro, a nomeação do Revisor Oficial de Contas.

Na documentação enviada aos membros da Assembleia em anexo à ordem do dia nada se relacionava com este assunto, não havendo nenhuma nota biográfica sobre a pessoa em causa, nem sequer se identificava a mesma.

Levantada a questão no decurso da Assembleia – com o devido protesto pela omissão referida no parágrafo anterior – fomos informados que se tratava de uma entidade denominada “G. Marques – Unipessoal, SROC”, e que aliás já desempenhava funções idênticas noutros Municípios.

Após breves diligências, descobrimos quem era o ROC:

É o "camarada" Luís Guerra Marques, ex-membro do Comité Central, ex-autarca da CDU na Marinha Grande (Presidente da Assembleia Municipal no mandato anterior) durante vinte e tal anos..

O Sr. é, de facto, ROC de meia dúzia de autarquias, coincidência das coincidências, todas das CDU.

Daqui se infere que a sonegação de informação foi premeditada.

Estamos perante gente  para quem usar de má fé é tão natural como respirar.

A pesada herança

Questão colocada na Assembleia Municipal de 18/12/2013

Pedido de esclarecimento sobre os rumores correntes no Concelho sobre a alegada “pesada herança que o actual executivo da CDU recebeu do anterior executivo da CDU, nomeadamente sobre a irresponsabilidade, a sonegação de informação e desorganização retratada na expressão “Estamos a arrumar a casa”, recorrentemente usada pelo actual executivo (para recriminar o anterior) e que qualquer pessoa entende como uma critica susceptível de atingir a honra e a dignidade de qualquer ser humano que se preze.

 Pergunta:

Sr. Presidente da Câmara,

Nessa qualidade, é o local e o momento, para esclarecer os rumores que circulam - e que aliás o apontam como fonte dessas informações – e denunciar que factos censura ao anterior executivo, a saber:

- Quais os compromissos financeiros não eram conhecidos ou não estavam devidamente registados na contabilidade?

 - Que assuntos de interesse para o Município não eram conhecidos ou foram negligenciados?

 - Tem conhecimento de alguma conduta menos própria, nomeadamente por falta de zelo que seja imputável ao anterior executivo?

Resposta:

Com visível embaraço, não obtivemos explicação concludente, além de algumas expressões do tipo, “Cada pessoa é uma pessoa”, “Não me lembro de dizer isso” (referindo-se ao “Estamos a arrumar a casa”). Aliás, o uso abundante desta última expressão nas reuniões de Câmara foi confirmado pelos vereadores do PS e não foi desmentida pelo Sr. Presidente.

Conclusão:

 Estamos perante campanha organizada e pactada, em que um desempenha o papel de bom e outro de vilão, destinada a elidir responsabilidades passadas, presentes e futuras na dramática situação financeira da Câmara , ficando desmascarada qualquer tentativa de imputar ao anterior executivo  qualquer medida menos popular que o actual executivo tome.